ABES

http://www.abes-sp.org.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/330350economiaagua.jpglink
http://www.abes-sp.org.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/241326diadesol2015.jpglink
http://www.abes-sp.org.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/514816banner_1.jpglink
http://www.abes-sp.org.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/611994jps080916.jpglink
Home Notícias Notícias ABES ABES e outras entidades do setor entregam à Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos documento com propostas para a crise hídrica em São Paulo
ABES e outras entidades do setor entregam à Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos documento com propostas para a crise hídrica em São Paulo PDF Imprimir E-mail
Qua, 28 de Janeiro de 2015 08:14

A ABES, representada pelo presidente nacional, Dante Ragazzi Pauli, e pelo presidente da Seção São Paulo, Alceu Guérios Bittencourt, foi recebida, juntamente com outras entidades do setor (veja abaixo) na Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos, no dia 22 de janeiro, pelo secretário da Pasta, Benedito Braga, pela secretária adjunta, Mônica Porto, pelo presidente da Sabesp, Jerson Kelman, e pelo superintendente do DAEE, Ricardo Borsari. Na ocasião, foi entregue às autoridades presentes o documento PROPOSTAS PARA GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS E DO SANEAMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO, que apresentou o posicionamento das entidades.

O encontro foi uma demonstração da união desses organismos com a SSRH, especialmente em relação à "Escassez de água e os riscos de colapso no abastecimento público de São Paulo".

No documento, as entidades expressam sua disposição em trabalhar em conjunto com a Secretaria para o enfrentamento da crise, propostas de medidas emergenciais e imediatas e outras para curto prazo. O relatório aborda questões referentes aos recursos hídricos, com um diagnóstico, e na sequência, um conjunto de propostas, além de discorrer acerca de questões referentes à prestação de serviços de saneamento no Estado.

Entre as propostas de ações emergenciais, estão:

- elaboração imediata de planos de contingência e de comunicação para a crise;

- reestruturação da Governança de Recursos Hídricos no Estado de São Paulo, prioritariamente na Macrometrópole;

- estruturação e implantação de um PROGRAMA de GESTÃO de DEMANDA na REGIÃO da MACROMETRÓPOLE;

- implantação de MONITORAMENTO INTEGRADO da QUALIDADE e da QUANTIDADE das ÁGUAS;

- utilização a plena capacidade de regularização do RESERVATÓRIO BILLINGS para o ABASTECIMENTO de ÁGUA;

- estruturação e implantação de AÇÕES de INCENTIVO FINANCEIRO;

- reestruturação da FISCALIZAÇÃO das ÁREAS de MANANCIAIS

Para ações de curto prazo, foram sugeridas:

- aperfeiçoamento da GESTÃO de RECURSOS HÍDRICOS e de SANEAMENTO por BACIAS HIDROGRÁFICAS

- planejamento e implantação do PROGRAMA de GARANTIA da SEGURANÇA HÍDRICA da MACROMETRÓPOLE

- aperfeiçoamento do LICENCIAMENTO, a REGULARIZAÇÃO e a COMPENSAÇÃO AMBIENTAL

- revisão e aperfeiçoamento das LEIS de PROTEÇÃO e RECUPERAÇÃO de MANANCIAIS

- apoio a ações para URBANIZAÇÃO de FAVELAS

- promoção de instrumentos para INDUÇÃO de USOS COMPATÍVEIS com PRESERVAÇÃO e RECUPERAÇÃO da QUALIDADE de MANANCIAIS

- intensificação e ampliação do PAGAMENTO por SERVIÇOS AMBIENTAIS

Estiveram presentes, além de Dante e Alceu, Reynaldo Young Ribeiro, presidente da AESABESP, Pérsio Faulim de Menezes, da Associação Sabesp, Francisca Adalgiza da Silva, da APU, José Luiz de Melo Pereira, da AAPS, Murilo Campos Pinheiro, da SEESP; Renê dos Santos, do Sintaema, e Marcos Sérgio Duarte, do Sintius. Também compuseram a mesa de trabalho os diretores do SEESP, João Carlos Bibbo, e do SASP, Carlos Estandieiro.

O encontro foi aberto pelo secretário Benedito Braga, com a explanação do panorama geral da grave crise hídrica enfrentada pelo Estado e passou a palavra às lideranças de classe que discorreram sobre alternativas de enfrentamento, com ênfase na elaboração de um plano de contingência, no reforço da imagem da Sabesp por meio de uma comunicação positiva, na criação de câmaras técnicas, na qualificação e reconhecimento dos profissionais da empresa e na busca de inovações tecnológicas, para captação, tratamento e distribuição de água.

Na sequência, o presidente da Sabesp Jerson Kelman, em resposta aos presentes, afirmou que essa crise nunca vista em São Paulo, que pode remeter ao risco de uma situação de calamidade pública, é sua preocupação prioritária e que estaria aberto a todas as sugestões para enfrentamento dessa escassez. Afirmou ainda que até que não passe esse momento crítico não terá condição de atender questões fora dessa situação.

Segundo Kelman, "atravessar o deserto de 2015" poderá ser o maior desafio da Companhia, que terá que abrir mão de planejamentos antigos, de situação de normalidade e criar outra estrutura em caráter emergencial. Suas considerações foram endossadas pelo superintendente do DAEE, Ricardo Borsari, que discorreu sobre as operações legais, como novas outorgas e regularizações para somar esforços na busca de soluções.

Após as explanações de todos os presentes, o secretário Benedito Braga concluiu a reunião, sob a alegação de estar contando com lideranças fortes e capazes de apresentarem soluções e ajustes para a atual crise, bem como o enfrentamento da mesma, advertindo que "se chover esse cenário tende a melhorar, mas temos que estar preparados para a escassez".

Para o presidente nacional da ABES, Dante Ragazzi Pauli,  a ideia de juntar as associações e entidades que representam parte importante do saneamento paulista e a predisposição do secretário de Saneamento e Recursos Hídricos, do presidente da Sabesp e do superintendente do DAEE em realizar o encontro mostram a proatividade de todos na busca de soluções emergenciais para combater a mais séria crise hídrica da história de São Paulo. “Certamente as propostas que dali serão originadas ecoarão pelo Brasil, afinal a crise hídrica não exclusividade de São Paulo”, ressalta Dante.

Alceu Guérios Bittencourt, presidente da ABES-SP, afirma que a reunião foi importante pela disposição dos novos dirigentes de dialogar e pela a atitude das entidades de abrir um canal direto e manifestar a disposição de participar da necessária mobilização para o enfrentamento da crise. “O documento pontuou algumas das questões mais relevantes, como a mobilização da sociedade, a partir de um plano de comunicação transparente, a efetiva gestão integrada dos recursos hídricos na região e a manutenção das condições operacionais das prestadoras de serviços de saneamento para enfrentar a situação.”

DSCN1595 3

Encontro demonstrou a união entre as entidades e a SSRH para o enfrentamento da crise hídrica

 

ENTIDADES SIGNATÁRIAS

ABES - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL – ESTADUAL E NACIONAL

AAPS- ASSOCIAÇÃO DOS APOSENTADOS E PENSIONISTAS DA SABESP

AESABESP - ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS DA SABESP

SASP- SINDICATO DOS ADVOGADOS DO ESTADO DE SP

SEESP - SINDICATO DOS ENGENHEIROS NO ESTADO DE SÃO PAULO

APU- ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP

ASSOCIAÇÃO SABESP

SINTAEMA - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ÁGUA, ESGOTO E MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

SINTIUS - SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS URBANAS DE SANTOS, BAIXADA SANTISTA, LITORAL E VALE DO RIBEIRA.

 

 

Eventos

«   Maio 2018   »
dstqqss
  1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
  
Veja mais eventos

Receba nossos informativos

Rua Eugênio de Medeiros, 242 - 6º andar - Pinheiros - 05425-900
São Paulo - SP
Mapa de localização

Tel / Fax: 11 3814 1872 e 11 2729 5510
Fale conosco

ABES-SP - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental